Paraíba tem a oitava pior perda de qualidade de vida do Brasil, aponta estudo do IBGE

Por Vale do Piancó -PB em 26/11/2021 às 19:07:31
Pessoas negras, mulheres e pobres s√£o as mais afetadas. Dados s√£o referentes a 2017 e 2018. Popula√ß√£o pobre é a mais afetada com a perda de qualidade de vida

Reprodução/TV Cabo Branco

A Paraíba registrou a oitava maior perda na qualidade de vida do Brasil, entre 2017 e 2018, de acordo com o Perfil das Despesas no Brasil: indicadores de qualidade de vida, da Pesquisa de Or√ßamentos Familiares (POF) que foi divulgado nesta sexta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, que integra o conjunto de estatísticas experimentais do Instituto, apresenta dois novos indicadores, que medem a qualidade de vida da popula√ß√£o.

O Índice de Perda de Qualidade de Vida (IPQV) leva em conta moradia, acesso aos servi√ßos de utilidade pública, saúde e alimenta√ß√£o, educa√ß√£o, acesso aos servi√ßos financeiros e padr√£o de vida e transporte e lazer. O indicador vai de 0 a 1 e, quanto mais perto de zero, melhor a qualidade de vida.

Na Paraíba, o índice foi de 0,208, bem acima da média do país (0,158) e levemente abaixo da do Nordeste (0,209). Entre todas as unidades da federa√ß√£o, o índice paraibano só foi menor que os observados no Maranh√£o (0,260), no Par√° (0,244), no Acre (0,238), no Amap√° (0,224), em Alagoas (0,218), no Amazonas (0,216) e no Piauí (0,213).

No ranking nacional do índice de desempenho econômico, que apresenta a capacidade da sociedade gerar recursos e convertê-los em qualidade de vida, a Paraíba também ocupou o oitavo pior resultado (5,504). O índice resulta da combina√ß√£o do valor da renda disponível familiar per capita com o IPQV.

Além de ter sido inferior ao constatado na média do Brasil (6,201), o indicador do estado só foi maior que os verificados no Maranh√£o (4,897), no Par√° (5,099), em Alagoas (5,264), no Acre (5,318), no Amazonas (5,357), no Piauí (5,462) e no Amap√° (5,470).

O perfil da qualidade de vida

Nas famílias em que a pessoa de referência era homem, o IPQV foi de 0,151, um valor menor (consequentemente uma melhor qualidade de vida) do que aquele apresentado quando a família era liderada por mulher (0,169), que ficou acima do índice do Brasil. J√° nos domicílios onde a pessoa de referência se declarou branca, o índice foi de 0,123, menor do que o registrado nas famílias em que a pessoa de referência era preta ou parda (0,185).

Maior ainda é a diferen√ßa quando se observam os décimos de renda. Entre os 10% que recebem as menores rendas, o IPQV foi de 0,260, o maior nesse recorte. J√° para o último décimo, ou seja, aqueles que recebem as maiores rendas, o valor foi de 0,063. Isso significa que a perda de qualidade de vida entre aqueles com menor renda foi mais de quatro vezes superior à do grupo com maior renda.

A perda de qualidade de vida também era maior nas famílias com pessoa de referência com pouca escolaridade. Entre aqueles que n√£o tinham instru√ß√£o, o IPQV foi de 0,255. Esse valor diminui à medida que os níveis avan√ßam, chegando a 0,076 quando pessoa de referência tinha o ensino superior completo.

Outro aspecto a ser observado é a perda de qualidade de vida relacionada à ocupa√ß√£o. Nesse recorte, o IPQV teve o menor valor (0,093) quando a pessoa de referência era empregador e o maior valor (0,203) quando a pessoa de referência era empregado doméstico.

Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Fonte:

Coment√°rios