Prefeito de Cantagalo (RJ) xinga eleitores durante evento na cidade

ALÉXIA SOUSARIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) O prefeito de Cantagalo (RJ), Guga de Paula (PP), foi filmado xingando eleitores durante um evento na cidade, que fica a cerca de 190 km da capital fluminense.

Por Vale do Piancó -PB em 14/05/2024 às 20:57:57

ALÉXIA SOUSA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS)

O prefeito de Cantagalo (RJ), Guga de Paula (PP), foi filmado xingando eleitores durante um evento na cidade, que fica a cerca de 190 km da capital fluminense. O episódio aconteceu no último sábado (11).

Em imagens compartilhadas nas redes sociais, o político aparece falando ao microfone, em cima do palco onde ocorria o show de uma cavalgada que ocorreu no distrito de Euclidelândia.

Procurada, a Prefeitura de Cantagalo não se manifestou.

Ao lado dos músicos, Guga afirma não querer votos e insulta o público.

"Não quero que vocês votem em mim nunca mais, porque eu não sou candidato. Vocês votem em quem vocês quiserem e eu vou mandar todos vocês à merda. Sabe por quê? Porque eu não sou candidato", disse o prefeito. Ele está no segundo mandato consecutivo, portanto não poderá concorrer às eleições deste ano.

O cantor chega a tentar retomar o controle do microfone por alguns momentos e sugere cantar uma música, mas o prefeito tira o microfone da mão dele e repete a fala e os xingamentos.
Guga foi vaiado pelo público e algumas pessoas chegam a fazer gestos obscenos em direção ao político.

O prefeito chama um dos seguranças do evento e pede para que um homem seja preso. "Segurança, esse 'cara' me desacatou. Prende ele", ordena o político em outro momento, apontando para um homem que estava na plateia.

A situação só tem fim quando o locutor da festa sobe ao palco.

Esta não foi a primeira polêmica envolvendo o político. Em dezembro de 2023, Guga foi gravado por uma câmera de segurança perseguindo um homem com uma arma dentro de um bar da cidade. Na ocasião, ele foi preso por porte ilegal, mas acabou liberado após pagamento de uma fiança no valor de R$ 4.000.

À época, a Câmara de Vereadores chegou a votar um pedido de impeachment do prefeito. Houve quatro votos favoráveis, mas eram necessários oito para a cassação. A solicitação foi, então, arquivada.

Fonte: jornaldebrasilia.com.br

Comunicar erro

Comentários

Anuncie Aqui