Paraíba registra primeiro caso de Febre Oropouche do Estado; conheça doença

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou, nesta quinta-feira (11), o primeiro caso da Febre Oropouche na Paraíba.

Por Vale do Piancó -PB em 11/07/2024 às 16:40:58
Foto: MaisPB

Foto: MaisPB

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou, nesta quinta-feira (11), o primeiro caso da Febre Oropouche na Paraíba. O paciente é um homem de 34 anos, de João Pessoa, e procurou atendimento médico ao apresentar sintomas característicos da dengue após ter viajado para o estado de Pernambuco. O diagnóstico para Febre Oropouche foi confirmado por exame realizado no Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen/PB).

Os sintomas da Febre Oropouche são semelhantes aos das arboviroses, como dengue, zika e chikungunya, por isso, é necessário que, ao apresentá-los, a população procure o serviço de Saúde mais próximo para receber o tratamento adequado. Entre os principais sintomas estão: febre de início súbito, dor de cabeça, dor muscular e articular, tontura, dor retro-ocular, calafrios, fotofobia, náuseas, vômitos.

De acordo com a técnica das arboviroses da SES, Carla Jaciara, a secretaria verificou, após investigação, que se trata de um caso importado, ou seja, a infecção não ocorreu no território paraibano. "Diferente da Paraíba, Pernambuco já tem registros da doença em 10 municípios, portanto, o caso não pertence ao nosso estado. O paciente voltou da viagem apresentando sintomas três dias após o retorno, fez exame para a dengue, chikungunya e zika, e deu não detectável, porém, por termos informações do cenário epidemiológico dos locais por onde ele passou, foi realizado pelo Lacen o exame necessário para o diagnóstico. É importante frisar que o usuário se recupera bem, está em casa, aparentemente saudável", explicou.

Diferente da dengue, zika e chikungunya, que são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, a Febre Oropouche tem como principal transmissor o mosquito maruim, também chamado de "muruim", comum no território paraibano. A transmissão ocorre por meio dos mosquitos infectados.

De acordo com o chefe do Núcleo de Fatores Biológicos e Entomologia da SES, Nílton Guedes, o maruim é um tipo de mosquito presente principalmente em locais úmidos. Ao contrário do Aedes aegypti, ele não se prolifera em água parada, porém, é necessário evitar entulhos ou materiais em decomposição. "Nós orientamos que as pessoas façam limpezas em seus quintais e nos arredores das casas. Ao adentrar em locais onde existe a confirmação do maruim, utilizem repelentes e roupas que cubram todo o corpo, evitando picadas do mosquito", frisou.

O gestor reforça que a SES está realizando durante os meses de julho e agosto, um trabalho de captura para avaliação desse vetor, com o objetivo de identificar possíveis regiões mais propícias para sua proliferação que são espaços de mangue, vegetação clima úmido, plantações, e espaços com depósito de matéria orgânica. O processo iniciará nos municípios fronteiriços com o estado de Pernambuco: Salgado de São Félix, Umbuzeiro, Natuba, Pitimbu, Caaporã, Pedras de Fogo, Juripiranga e Itabaiana.

MaisPB

Fonte: https://www.maispb.com.br

Comunicar erro

Comentários

Anuncie Aqui